Aparecida

Aparecida

vejo você sem estar perto, mesmo assim a vejo solenemente

sem binóculos, sem óculos ali do outro lado da rua

onde mora a sua filha caçula

O seu sorriso está aqui presente, na estante

enquanto está tão distante, nem sei em que mundo está

Seu olhar está aqui e não está, porque você não existe mais

mas, será?

será que você não existe mais? Se o universo me parece estabilizado

anda por aí em seus novos horizontes

eu lembro de você na escola, atravessando a Avenida Anhanguera

de Goiânia a Goiânia chegando a Trindade

asas ao Espírito Santo, a pomba ou a ilusão.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não pode ser publicado.